História da Raça

O Guardião Inteligente

 

A primeira coisa a saber é que o Cane Corso não é uma raça nova.

Na verdade sua história começa ainda antes da Roma antiga. Os detalhes são pouco conhecidos, mas existem várias teorias sobre a proveniência. A mais aceita entre os estudiosos da raça parece ser no Épiro, antiga região de dominação grega, atualmente Macedônia. Nesta região os romanos puderam observar o uso militar dos cães e os adotaram, assim como muitas outras práticas dos povos que conquistavam. 

O Cane Corso atual é o irmão mais leve do Mastim Napolitano, ambos descendentes do canis pugnax romano. Excepcional na guarda, sua presença física, porte e solidez asseguram ao Corso grande eficácia na guarda ostensiva. De temperamento equilibrado, é ao mesmo tempo muito confiável no convívo com a família. 

É um cão de porte médio-grande, com musculatura muito bem desenvolvida que dá um aspecto sólido e compacto. Somam-se também sua devoção à família e paciência com as crianças. É um cão muito adaptável, equilibrado, discreto, de fácil adestrabilidade, um guardião espetacular e, ao mesmo tempo, uma grande companhia. 

As características de equilíbrio psíquico, a devoção ao dono e a versatilidade para adaptar-se às necessidades do homem são a razão de seu sucesso e a explicação de um uso tão eclético.

Na família é um cão dócil e sociável, particularmente tolerante com as crianças para as quais, consciente de sua força, é muito delicado. 

O Corso tem um temperamento mediano e alta têmpera. Eu diria que é um cão muito físico, que aprecia o contato com o dono, preservando ao mesmo tempo um alto nível de iniciativa. 

Breve história

Mesmo excluindo-se a priori que corso tenha algo a ver com a Córsega, a etimologia da expressão 'corso' é controversa. Alguns afirmam que a palavra venha do latim 'cohors' que significa protetor, guarda. É muito interessante também a hipótese que indica a raiz de Corso na palavra grega Kortòs, que indica o quintal, o recinto e da qual deriva a palavra cohors, que indicaria portanto o cão colocado como guarda do recinto. 

Esta hipótese, se verdadeira, nos traz de volta à Magna Grécia (região que compreendia o sul da Itália, sob o império grego) e à sugestiva origem oriental dos molossos, mais provavelmente entre os molossos do Épiro, região da atual Macedônia.

Outros buscam a origem de 'Corso' em uma antiga expressão céltico-provençal que indicava força, potência.  

Esta última hipótese é igualmente plausível, visto que ainda hoje se encontra em algumas palavras como 'corsiero' (cavalo robusto de batalha usado na idade média), no inglês 'coarse' (rústico) e finalmente em alguns dialetos do sul da Itália onde 'Corso' ou 'Còrs' significa robusto ou altivo. De qualquer forma, desde o início da língua italiana, o molosso sempre foi chamado de Corso. 

No Brasil, a raça foi popularizada graças ao Fausto Silva, o Faustão, e até pelo presidente Lula que possui uma cane corso -- a Estrela. Desde a introdução da raça no Brasil um longo trajeto foi percorrido para atualizar o plantel nacional, aproximando-o da criação européia que conta com cães mais homogêneos e com melhores controles de saúde. Este esforço prossegue, para que o Cane Corso no Brasil possa expressar ao máximo suas qualidades. 

O Cane Corso é um antiquíssimo molosso italiano, descendente direto do 'canis pugnax' romano, ou seja, sua história retrocede a mais de 2000 anos. Mesmo excluindo a priori que o nome indique a origem geográfica da raça, a etimologia da expressão 'corso' é controversa. Alguns afirmam que a palavra venha do latim 'cohors' que significa protetor, guarda (por exemplo 'praetoria cohors' é a guarda do corpo do general e ainda hoje no vaticano existe a Cohors Elvetica, ou guarda suiça).

É muito interessante também a hipótese que indica a raiz de Corso na palavra grega Kortòs, que indica o quintal, o recinto e da qual deriva a palavra cohors, que indicaria portanto o cão colocado como guarda do recinto. Esta hipótese, se verdadeira, nos leva à Magna Grecia (região que compreendia o sul da Itália, sob o império grego) e à sugestiva origem oriental dos molossos. 

Outros buscam a origem de 'Corso' em uma antiga expressão céltico-provençal que indicava força, potência. Esta última hipótese é igualmente plausível, visto que ainda hoje se encontra em algumas palavras como 'corsiero' (cavalo robusto de batalha usado na idade média), no inglês 'coarse' (rústico) e finalmente em alguns dialetos do sul da Itália onde 'Corso' ou 'Còrs' significa robusto ou altivo. Permanece o fato que, desde que começou a se estabelecer a lingua italiana, o molosso sempre foi chamado de Corso. Expressão mais adequada dificilmente poderia ser criada para descrever este cão, mistura de potência e distinção. 

É importante dizer que não é uma raça extrema em nenhuma das suas características e disto resulta sua harmonia. 

A sua conformação é aquela de um molosso de porte médio-grande, com musculatura muito bem desenvolvida que lhe confere um aspecto sólido, compacto e sem qualquer peso desnecessário. 

A cabeça é bem proporcionada com o corpo, o olhar é altivo e expressivo: a mordedura levemente prognata (os incisivos inferiores se sobrepões aos superiores). O pescoço é possante. O tórax bem aberto e alto. A altura na cernelha varia de 64 a 68 cm nos machos e de 60 a 64 cm nas fêmeas, com tolerância de 2 cm a mais ou a menos; o peso médio dos machos é de 45/50 kg e nas fêmeas de 40/45 kg. 

A pelagem é curta, mas não rasa (pelo de vaca), muito forte e muito abundante, garantindo uma perfeita impermeabilidade; no inverno surge um sub-pelo muito abundante também. 

As cores tradicionais são o preto e o tigrado, mas há também os exemplares fulvos (um marrom claro) e cinza. Nos cães cinza e fulvos surge uma máscara preta (ou cinza) que porém não deve passar da altura dos olhos. 

Harmonia, força e desenvoltura são os adjetivos que melhor descrevem o seu andar natural: o trote longo com traços de galope. 

As características de equilíbrio psíquico, a devoção absoluta ao dono e a versatilidade para adaptar-se aos mais variados usos são a razão de seu sucesso e difusão que a raça viveu recentemente. 

O uso mais clássico do Cane Corso foi aquele da caça aos animais selvagens perigosos, especialmente o javali. Os sabujos e os bracos tinham que achar o animal e em seguida, após uma perseguição, obrigá-lo a parar, permitindo aos caçadores alcançá-los. Finalmente eram soltos os Corsos que tinham que saltar sobre o javali e imobilizá-lo agarrando-lhe as orelhas e o grifo. Isto permitia aos caçadores aproximarem-se sem serem atacados e matar a grande presa com um golpe bem colocado. Era esta confusão final, este epílogo sanguinário, que exaltava os homens e que levou-os a celebrar a cena em uma longa série de representações artísticas. 

De forma parecida era a função do Cane Corso como boiadeiro, ou melhor, como cão de açougueiro. Até muitos anos atrás, os bovinos de carne eram criados em estado selvagem em regiões incultivadas e para chegar até o matadouro na cidade tinham que ser guiados por percursos de várias dezenas de quilometros. Nascidos e crescidos no estado selvagem, os rebanhos apresentavam todo o perigo de animais selvagens. Pressuposto indispensável para controlar os bovinos era separar o touro, usando para isto os cães corso que tinham que paralisá-lo, agarrando-o pelo focinho com forte mordida, visto que a dor, nesta parte sensível, imobilizava completamente o grande animal. Sempre como boiadeiro o Corso tinha que defender o gado dos grandes predadores, como o urso ou o lobo.

Um tipo de caça muito particular onde o Corso era especializado era aquela ao tasso (meles meles, parente da ariranha e da doninha). Este grande mustelídeo (chega a 1 metro de comprimento e 20 kg), de costumes noturnos, era muito apreciado tanto pela pele, como pelo sabor da carne e até pela gordura, que fundido, era usado como unguento curativo. A caça era realizada à noite e exigia cães particularmente adestrados, visto que o escuro impedia o uso de armas de fogo. O Corso tinha portanto que surpreender o tasso e matá-lo com uma mordida forte na nuca, antes que este pudesse levantar-se e defender-se com suas longas e afiadíssimas garras. 

Uso muito positivo era aquele feito pelas 'guardas campestres'. Nas fazendas, terminada a colheita, o campo era abandonado por todos. Por vários meses, terminada a semeadura, restava somente o guardião: seu único companheiro era o cão, ajuda indispensável para defender-se de malfeitores que vagabundeavam por aquelas terras abandonadas. 

Nos longos meses transcorridos junto, se estabelecia uma tal compreensão recíproca que o Cane Corso chegava a manifestar uma incrível inteligência. 

Também os carreteiros que transportavam de dia e de noite, pelas estradas desertas em pleno campo, temiam continuamente os assaltos dos ladrões e para maior segurança viajavam em comboios e levavam de reserva os Cães Corso. A ecleticidade da raça foi muito apreciada também pelos grandes senhores feudais e renascentistas que a utilizaram, não só para a caça, mas também como guardas nas fortificações e como instrumento bélico. Para este propósito, os Corsos eram vestidos com faixas de couro endurecido que protegiam o peito e o dorso. Em alguns se colocavam faixas especiais que permitiam ao animal transportar sobre o dorso recipientes com substância resinosas acesas. 

Desta maneira, este cães (chamados piriferos), eram de grande eficácia contra a cavalaria, pois, além de assustar os cavalos, asseguravam dolorosas queimaduras ao correr por entre eles. 

Um passado assim rico e próximo à história do homem, não podia não deixar traços em testemunhos históricos e portanto sua bibliografia é abudante. Teofilo Folengo no 'Maccheronee' (1522), o famoso naturalista Konrad von Gesner no 'De Quadrupedibus' (1551), Erasmo di Valvasone no 'Della Caccia' (1591), Minà Palumbo nos 'Mamíferos da Sicilia' (1868) e Giovanni Verga no 'Malavoglia' (1881). 

Quanto à iconografia, é tão vasta que é impossível catalogá-la. Para citar somente os testemunhos mais importantes, lembramos as pinturas da Reggia di Caserta, as estampas de Bartolomeo Pinelli até chegar aos afrescos do Palazzo The de Mantova. 

História mais recente e menos gloriosa é aquela a partir do segundo pós-guerra, onde a velocidade das mudanças nas condições sócio-econômicas e o abandono da criação de bovinos selvagens conduziu ao descaso a seleção da raça, que reduzida a poucos exemplares beirou a extinção. 

Aproximadamente vinte e cinco anos atrás, alguns cinófilos, entre os quais é necessário lembrar o Prof. Giovanni Bonatti, o Prof. Fernando Casolino, o Doutor Stefano Gandolfi, o Sr. Gianantonio Sereni e os irmãos Giancarlo e Luciano Malavasi, aceitaram o desafio de recuperar a raça e fundaram a S.A.C.C (Società Amatori Cane Corso).

Cane Corso utilizado para transporte de medicamentos e depois soldados feridos na campanha da Rússia

Entre mil dificuldades foram encontrados os primeiros exemplares nas fazendas da província de Foggia e contemporaneamente iniciadas as pesquisas sobre a história e iconografica sobre a raça, com o propósito de reconstruir um contexto histórico que permitisse uma correta seleção dos sujeitos. Os cães criados nestas iniciativas eram consignados a novos apaixonados que aumentavam o grupo da S.A.C.C. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um massaro acompanhado de seu cão

(Puglia, década de 20)

A ENCI (entidade que cuida da cinofilia na Itália) seguiu com muito interesse, desde os primórdios, o projeto de recuperação da raça e encarregou o Dr. Antonio Morsiani de escrever o Padrão da raça. Durante o ano de 1988, por ocasião das exposições de Milão, Florença e Bari, os juizes Morsiani, Perricone e Vandoni fizeram as medições cinométricas de mais de 50 Corsos para verificar se aderentes às características indicadas no projeto de Standard. No mesmo ano, o sócio Vito Indiveri apresentou à ENCI o resultado do censo dos indivíduos rústicos com o registro de 57 cães, acompanhado de 97 fotografias. Incentivado por estes desenvolvimentos positivos, o Conselho Diretor da ENCI decidiu instaurar o Livro Aberto, onde inscrever os individuos, que tatuados, estivessem conformes ao Standard. De 1989 até 1992 foram inscritos no Livro Aberto mais de 500 individuos e em janeiro de 1994 a raça foi definitivamente reconhecida oficialmente pela ENCI. 

 

 

 

 

 

 

 

Sarcófago romano do IIº século, representando dois canes pugnaces - galeria degli Uffizi, Florença

Hoje o Cane Corso está vivendo uma segunda juventude, graças à capacidade de adaptação que sempre o distinguiu nos séculos de história. É um ótimo guardião das propriedades, que vigia de perto a casa, aproximando-se raramente aos limites, evitando assim que mal-intencionados passam atacá-lo de fora. Mesmo tendo um senso de território muito arraigado, o Corso se apresenta muito bem como cão de defesa, graças a sua empatia com o homem. É um cão adaptável, facilmente adestrável, mas que nunca será um robô: a sua viva inteligência se apresenta também na independência e no perseguir com um toque de iniciativa pessoal as tarefas e serviços a ele apresentados. Na familia é um cão dócil e sociável, particularmente tolerante com as crianças para as quais, consciente de sua força, é muito delicado. O Corso tem um forte temperamento, não ama carinhos melosos, mas adora as manifestações de afeição que vêm do fundo, moderadas, constantes. Nesta situação retribui com igual intensidade e chega a manifestar uma dedicação ao dono sem igual. Resumindo, é um cão que vive com o homem e para o homem, cuja beleza é filha de sua real funcionalidade.

Mais nesta categoria: Padrão da Raça »